BARRIL DE ALVA (Coja-Arganil): Crise directiva na Filarmónica

Em 10 de Fevereiro passado, na assembleia geral da Associação Filarmónica Barrilense, que de entre outros assuntos da ordem de trabalhos, tratava da eleição dos novos corpos sociais para o triénio 2018-2020, não foi apresentada qualquer lista e, assim, aquela que aos olhos dos barrilenses sempre foi a sua menina bonita, entrou numa crise directiva a agravar, ainda mais, as dificuldades que se sentem no seio da centenária Associação.

 “Lutamos com muitas dificuldades. Conseguimos que esta direcção chegasse ao fim do mandato, com algumas demissões o que já não acontecia há alguns anos”, disse o presidente da assembleia geral, Armando Leonel Bernardo, não deixando de lamentar ainda a falta de associados “que deviam estar aqui” a participar nos trabalhos, “a ajudar e não a falar lá fora”, a criticar quem ainda, mesmo com erros ou sem eles, se disponibiliza para trabalhar, como acontece com o ainda presidente da direcção, Acácio Simões, que até à realização da nova assembleia geral, a marcar brevemente, para tratar da eleição dos novos corpos sociais, se disponibilizou “para colaborar e para não deixar no vazio a Filarmónica”.