Destinos Turísticos

Ana Margarida Neves GomesSegundo Cooper, os destinos turísticos são os locais onde “ocorrem os elementos mais significativos e dramáticos do sistema turístico. E onde a indústria que lida com o afluxo de turismo está localizada: ou seja, onde se encontram as atracções e todas as outras instalações de apoio que o visitante necessita”. (Cooper et al, 2001:136). De facto, a actividade turística pressupõe a prestação de serviços num determinado local – o destino turístico.

No caso desta actividade económica, não é o produto que vai até ao consumidor mas sim o consumidor – neste caso o turista – que se desloca para “consumir” o produto. Não se tratam de bens palpáveis, o turismo é imaterial, intocável. Vivem-se experiências, sensações e constroem-se recordações. O turismo pretende, em primeiro lugar, satisfazer os desejos da procura, mostrar-lhe que as suas escolhas foram bem-feitas. A oferta quer provocar no turista a sensação de fulfillment, ou seja, de plena satisfação e realização.

Há então algumas considerações a fazer, a forma como os destinos são geridos, bem como os seus recursos, é de extrema importância. A oferta original e derivada e as parcerias públicas e privadas são factores a ter em conta na gestão harmoniosa dum destino. O importante é satisfazer o turista sem comprometer o modo de vida das comunidades, procurando melhorar a qualidade de vida das mesmas. Afinal, o turismo é um sistema compósito onde os serviços se complementam e há uma permanente junção entre os habitantes do destino e os turistas. As gentes são, de certa forma, a alma do destino.

Assim, a procura pela sustentabilidade pertence a ambos os agentes, a responsabilidade é partilhada no que concerne à preservação dos locais, dos costumes e do ambiente. O envolvimento e liderança, a cooperação, educação, e liberdade constituem um conjunto de desafios que os responsáveis pelos destinos devem ter em conta. Os destinos sustentáveis necessitam de uma cooperação constante entre entidades públicas e privadas, programas de educação e formação, contemplando dimensões económicas, sociais e ambientais.

No caso específico de Portugal enquanto destino turístico, os estudos revelam que mais de metade dos turistas são casais e quase 100% considera que as férias corresponderam às expectativas. Dados do Turismo de Portugal referem, também, que 86% afirmaram que gostariam de voltar a Portugal. Nesta linha de pensamento, e segundo a GFK Metris – uma das maiores companhias de estudos de mercado – foi revelado que grande parte dos turistas “ficaram em alojamentos mais qualificados e partem muito satisfeitos com a oferta cultural e natural”. Aqueles usaram as palavras “clima, hospitalidade, praias” para definir o nosso país. Em jeito de curiosidade, a Globe Spots é um grupo internacional independente composto por “travellers”, ou seja, viajantes, amantes do turismo, cujas previsões colocam Portugal como um dos dez destinos mais procurados em 2013. Apesar de se tratar apenas duma previsão, deve servir como motivação ao nosso país e às entidades do sector como forma de combater a crise que Portugal atravessa.

Concluindo, é importante que os destinos adoptem boas estratégias de marketing e planeamento para alcançarem um bom posicionamento no mercado. Para tal, contam com a ajuda do Turismo de Portugal, bem como das Entidades Regionais de Turismo (ERT’S) que podem delinear estratagemas para conquistar o mercado e aproveitar os recursos das regiões.

Votos de Festas Felizes e Bem-Hajam!

ANA MARGARIDA NEVES GOMES (*)

(*) Turismóloga