A União Recreativa Sarzedense vai resistindo à crise

URS

Quando se clama a fraqueza com que o mundo associativo vai sofrendo, sobretudo na nossa Beira Serra, felizmente que nas nossas terras, as do nosso concelho sobretudo, ainda vão tendo alento para prosseguir puxando o arado alguns carolas, a fim de que a terra continue a ser cultivada e amanhada, neste caso a União Recreativa Sarzedense, juntando ainda em seu redor sarzedenses e amigos que lhe vão dando apoio para prosseguir uma jornada que a todos os títulos é notável, com um património de invejar.

 

Na assembleia-geral realizada no passado domingo, à tarde, depois do funeral do saudoso sarzedense Idílio Martins Fidélio, um amante da sua terra e das suas colectividades, particularmente o Rancho Flores do Alva, notou-se que a chama dos que a fundaram ainda se mantem rija e actuante, tendo pelo meio alguns jovens. Na assistência, alguns ou quase a maior parte, nos trinta sócios presentes, pertenceram aos corpos sociais da União. Daí que, nestas alturas de chamamento, lá estão eles a dar o apoio, quanto mais não seja com a sua presença.

O presidente da mesa, António Carvalhais Costa, que estava ladeado por Dr.ª Isabel Carvalho, Fernando Simões, Antonino Carvalho Bicho e Edílio Miguel, dissertaria sobre a grande família que é a União, não esquecendo as «grandes mulheres dos directores» e outras que gostam de ajudar, que estão sempre disponíveis para colaborar nos diversos convívios que a colectividades leva a efeito. Aproveitou para lastimara a morte do Fidélio, uma figura incontornável do Sarzedo, e em sua memória foi guardado um minuto de silêncio.

Sobre o ponto relacionado com as contas, que foram aprovadas por unanimidade, dizem bem do controlo que a direcção vem imprimindo ao andamento do barco, que por muitos ventos que por vezes o façam baloiçar, não teme o seu naufrágio, porque as contas que foram apresentadas traduzem firmeza e boa capacidade de saber orientar. Assim sendo, basta ver as contas de 2012. Se o total das receitas atingiu 14.517,47 euros (só em convívios foram angariados 11.140,57 euros), as despesas somaram 10.601,41 euros, o que dá um saldo para 2013 de 11.164,30 euros. Por seu turno, o Posto Médico, teve como total de receitas 7.444 euros, despesas, 13.556,50 euros, o que dá uma soma positiva de 4.671,59 euros. Como desta soma, foi retirada a avença do médico, registada este ano, o saldo acaba por ficar em cerca de 800 euros. Quanto ao Grupo Desportivo, que se encontra praticamente inactivo, ainda mantém como saldo para 2013 o valor de 142,25 euros.

As contas apresentadas tiveram o aval aprovativo do conselho fiscal, pela voz do seu presidente Antonino Carvalho Bicho, que pelo trabalho que se vai fazendo a União continua na sua linha de orientação, conseguindo um resultado desta forma e por isso pediu à assembleia que aprovasse as contas, o que foi verificado por unanimidade e aclamação.

 

Posto Médico é preocupação

Dado o falecimento de muitos sarzedenses, que eram sócios do Posto Médico, uma regalia em tão boa hora conquistada, acaba por reduzir as receitas próprias, já que não há sócios que cubram os que deixam de o ser. Pela primeira vez, como se disse o presidente da direcção, «tivemos que ir à casa-mãe para acudir ao bom funcionamento do Posto Médico», em 5.284,14 euros. Neste sentido houve algumas intervenções sobre o caso, e todas elas se centraram na necessidade de haver uma reunião para o efeito e daí saírem as melhores opções para que o Posto Médico continue a prestar bons serviços à comunidade.

 

Eleição de novos órgãos sociais

Como não havia qualquer lista entrada na mesa, e a direcção cessante não vinha preparada para o efeito, a assembleia interrompeu os trabalhos por dez minutos para que fosse elaborada uma lista. Findo o tempo estipulado, o presidente e outros companheiros de luta chegaram a um consenso e apareceu então uma lista, com a quase reeleição das anteriores figuras, assim constituída:

Assembleia-geral – Presidente, António Carvalhais da Costa; secretários, Fernando Ferreira Simões e Gabriel Leitão.

Direcção – Presidente, Edílio Miguel; vice-presidente, António Oliveira Fernandes; secretários, Mário Gaspar Ricardo e Américo Gaspar Ricardo das Neves; tesoureiro, José Henriques Paiva Pinto; e vogais, Rui Manuel Joaquim, Carla Patrícia Nunes, João Pedro Carvalho, Paulo Carvalho, Nuno Carvalho, António Fernando Oliveira, Aníbal Nunes Matos, António Manuel Viegas Andrade e Rui Almeida Neves.

Conselho fiscal – Presidente, Antonino Carvalho Bicho; secretário, Maximino Batista Matos; e relator, Maximiano Ricardo Castanheira.

Posto Médico (Comissão Administrativa) – 2.º secretário da direcção, tesoureiro da direcção e sócios eleitos: Sílvio Paiva, José Ventura da Costa e Dr.ª Isabel de Jesus Carvalho.

Comissão Desportiva – António Oliveira Fernandes, vice-presidente; Américo Ricardo das Neves, 2.º secretário; e José Henriques, tesoureiro, com vogais posteriormente eleitos.

 

Plano de Actividades/2013 apresentado no auto de posse

Ficou decidido que o Plano de Actividades para 2013 fosse apresentado pela direcção ora eleita na tomada de posse, que ocorrerá no próximo sábado, dia 2, pelas 17 horas. No final haverá o habitual convívio e a terminar uma sessão de karaoke.

JOSÉ TRAVASSOS DE VASCONCELOS